QI GONG (ou CHI KUNG)

Por Marie Courtneau

Em https://www.annuaire-therapeutes.com/index-des-disciplines

A ginástica para uma vida longa da tradição chinesa

É uma das cinco técnicas de base da medicina tradicional chinesa, com a acupunctura, a farmacopeia, a massagem Tui Na e a dietética chinesa.

O Qi Gong é, por vezes igualmente designado por Yoga Chinês. Praticado por milhões de chineses no dia-a-dia e por um número crescente de ocidentais, o Qi Gong é (a par do tai-chi, uma disciplina próxima), o treino energético de base defendido pela Medicina Tradicional Chinesa. Assenta nos mesmos princípios que ela e recorre aos meridianos. O Objectivo? Treinar e dominar a energia (Qi) de forma a fazê-la circular, a reforçá-la e equilibrá-la.

A sua realização passa por um conjunto de práticas energéticas milenares. encontra-se, de facto, em textos muito antigos, exercícios e movimentos terapêuticos praticados que se assemelham ao Qi Gong. Os exercícios de Qi Gong são acessíveis a todos e incluem um conjunto de posturas, exercícios de respiração e de meditação. Existem centenas de variantes na China, algumas com abordagens mais médicas, outras com objectivos mais espirituais.

A prática de Qi Gong: para quê e para quem?

O objectivo global do Qi Gong é treinar o corpo e o espírito e torná-los simultaneamente mais flexíveis e sólidos, optimizando a circulação de energia entre os órgãos, o todo numa óptica de vitalidade reforçada e de longevidade.

O Qi Gong é acessível a todos e a todas as idades, dos mais jovens aos seniores, passando por mulheres grávidas.

Para uma prática assídua quotidiana, muitos benefícios são reportados em numerosas publicações recentes: concentração, gestão da dor, stress, ansiedade e depressão, prevenção das doenças, fadiga crónica, memória, sono, melhoria dos parâmetros cardio-vasculares, da imunidade, etc.

Para alguns, o Qi Gong é também uma abertura a uma maior criatividade e à espiritualidade. Por fim, o Qi Gong terapêutico exige técnicos experientes que supostamente irradiam uma energia superior (este elemento já pôde ser medido por investigadores) e que têm a capacidade de aliviar ou melhorar o estado de doentes, por exemplo no acompanhamento de processos ligados ao cancro.

Uma consulta

É preferível fazer uma iniciação a esta prática através de uma curso aula normal (45m a 1h30) com um professor bem formado que poderá verificar que as posturas e movimentos são correctamente executados e adaptados ao seu caso.

Para além dos cursos das aulas, o ideal é treinar pessoalmente com regularidade. Existem numerosas variantes do Qi Gong. Incluem, normalmente, encadeamentos de movimentos lentos, exercícios respiratórios, posturas imóveis, alongamentos, sons e meditação. A prática pode alternar posturas em pé e deitado (contrariamente ao Tai-Chi em que os encadeamentos são unicamente verticais. Idealmente, para beneficiar plenamente do Qi Gong será preciso praticar todos os dias cerca de 20 minutos.

Interações do Leitor

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *