COERÊNCIA CARDÍACA

Por Caroline Morel

Em https://www.annuaire-therapeutes.com/index-des-disciplines

 A coerência cardíaca para gerir o stress e a ansiedade utiliza o ritmo do coração

A coerência cardíaca é uma prática de auto regulação emocional através de exercícios respiratórios, que vão permitir gerir o stress, a ansiedade, a depressão ou mesmo problemas de tensão arterial. A coerência cardíaca parte do princípio de que o coração, que possui 40.000 neurónios, não é somente uma bomba, mas que ele possui uma verdadeira inteligência. A maior parte das nossas emoções nascem no sistema límbico do cérebro, e provocam reacções no nosso organismo. E o coração é certamente o primeiro a reagir a estas situações emocionais. Contudo, se o cérebro tem uma influência sobre as funções cardíacas, estudos recentes concluem que o coração tem também uma influência sobre as funções cerebrais. Há, assim, um diálogo permanente entre o coração e o cérebro, e este diálogo é nos dois sentidos. A comunicação faz-se através do sistema nervoso autónomo que se divide em duas partes distintas: o sistema autónomo simpático (que produz dopamina, cortisol e adrenalina) e o sistema autónomo parassimpático (que produz a serotonina, a DHEA (desidroepiandrosterona, deidroepiandrosterona ou prasterona), ou a acetilcolina. O sistema simpático é comparável a um acelerador, ao passo que o sistema parassimpático funciona como um travão. Para dar um exemplo, durante um pico de raiva, o cérebro estimula uma forte produção de cortisol, e o organismo vai, de seguida, esgotar-se para remover esse excesso. Para nivelar este afluxo indesejável de cortisol produzido pelo sistema simpático, será então necessário estimular o sistema parassimpático.

A popularização da Coerência Cardíaca veio, possivelmente, com o neuropsiquiatra francês David Servan-Schreiber, com o seu livro de 2004, “Curar o stress, a ansiedade e a depressão sem medicamentos nem psicanálise”. David Servan-Schreiber, falecido a 24 de Julho de 2011, foi um médico neuropsiquiatra e doutorado em ciências que leccionava na Universidade de Lyon 1 e na Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos. Foi descoberto pelo grande público, em 2003, sobretudo após a edição do seu best-seller “Curar”.

Uma sessão para quem e para quê?

Partindo do postulado de que o coração influencia o cérebro, a coerência cardíaca vai utilizar o diálogo coração-cérebro para procurar a calma e o apaziguamento num indivíduo, ou estimular o seu desempenho intelectual, a sua concentração ou a sua clareza de espírito. Ela vai, por isso, apoiar-se no facto de que, se respiramos de uma certa forma, retomamos o controlo das frequências cardíacas. E, se respiramos dirigindo a atenção para um ponto particular do corpo (o coração), e visualizamos na mente imagens bastante agradáveis, vamos estimular o sistema parassimpático, aquele que terá por efeito a regulação das consequências negativas da estimulação excessiva do sistema simpático.

A coerência cardíaca permite que a pessoa se sinta melhor e que retome o controlo sobre o que sente e sobre as suas emoções. Os seus efeitos são múltiplos. Ela pode permitir baixar o nível de stress e atenuar a fadiga, dor de estômago ou de costas, assim como as tensões musculares que podem estar relacionadas. Os estudos também provaram a sua eficácia sobre as mulheres que sofrem de problemas pré-menstruais ou devidos à menopausa, assim como sobre pessoas que têm problemas de tensão arterial ou sobre os que pretendem perder peso. Ela permite, ainda, estimular consideravelmente a produção de DHES, a hormona da juventude, e aumentar a nossa imunidade de forma significativa.

Algumas informações úteis sobre uma sessão

Com quem?

A coerência cardíaca é um instrumento de acompanhamento de outras terapias às quais a podemos associar para obter os efeitos conjugados, e de melhor eficácia. Ela é praticada por profissionais de saúde e terapeutas especializados no acompanhamento, e na assistência, que visam o bem-estar.

Desenrolar de uma sessão

Após ter discutido consigo a sua problemática, o terapeuta instala-o, de costas direitas, pés no chão, de pé, sentado ou mesmo deitado. Vai levá-lo a imaginar situações agradáveis e calmantes, induzindo o ritmo respiratório apropriado. Alguns terapeutas praticam, conjuntamente a sofrologia, para tirar maior partido da sessão. Podem também utilizar um sensor de pulsação no lobo da orelha ou no dedo. Este sensor mede a frequência cardíaca e transmite-a a um programa que a transforma num gráfico, de modo a ser facilmente interpretado.

Ao orientar a prática dos exercícios respiratórios ao seu paciente, o terapeuta também lhe ensina a praticar a coerência cardíaca, para que ele próprio possa, posteriormente, na sua casa, fazer os exercícios sozinho. A coerência cardíaca pode facilmente ser praticada de forma individual, em casa de cada um, existindo na internet diversos vídeos que podem servir de orientação.

Interações do Leitor

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *